Fundador: 
Adriano Lucas (1925-2011)
Director: 
Adriano Callé Lucas

Empresas que reabriram voltaram a aceitar os alunos


sexta, 22 maio 2020

Com a pandemia covid-19 as escolas foram as primeiras a encerrar e tiveram de, num curto período de tempo, se adaptar para conseguirem dar seguimento ao plano curricular. Na Escola Profissional Mariana Seixas (EPMS) as ferramentas online que já eram utilizadas foram uma ajuda essencial nesta fase.
“A realidade é que no dia 16 de Março já tínhamos mecanismos online para que os alunos continuassem a ter aulas. A maior parte das vezes até potenciámos ferramentas que já utilizávamos”, explica o director Nuno Marques.
A escola chegou na interrupção lectiva da Páscoa a fazer uma formação interna, para os professores, com o objectivo de “terem mais facilidade e conhecimento para trabalharem com as ferramentas”. “Há que tirar o chapéu aos professores que, independentemente da idade, se predispuseram a aprender com esta nova realidade”, acrescenta.
Contudo, com esta nova forma de aprendizagem, as aulas práticas foram prejudicadas. “Todos aderiram muito bem, mas é óbvio que em relação a outros anos há conteúdos que não foram tão bem trabalhados, principalmente na área técnica. Nós privilegiamos sempre o trabalho prático e à distância esse trabalho prático não foi tão eficaz”, realça o director. Contudo, apesar desta nova forma de ensino à distância, afirma que “os alunos estão preparados para o mercado de trabalho, sem dúvida nenhuma”.
São vários os alunos que começam a regressar às empresas para terminarem os seus estágios. “Tivemos o contratempo das empresas terem fechado, mas todas as que reabriram portas e com quem tínhamos parcerias voltaram a aceitar os alunos para fazer formação em contexto de trabalho”, afirma Nuno Marques.
“A nível de relação com as empresas sempre tivemos a felicidade de termos mais empresas a nos procurarem do que alunos para oferecer, um reconhecimento da nossa qualidade de ensino”, evidencia.
No início do ano, em Janeiro existiam três turmas em estágio. “A turma de Restauração terminou, a turma de Multimédia também, tendo conseguido concluir em teletrabalho, e os alunos de Informática, devido a uma precaução por parte das empresas onde estavam a estagiar, vão concluir as restantes horas que faltam em Julho, presencialmente”, explica.
Também os alunos dos restantes cursos começam a retomar os estágios tanto presencialmente como através de teletrabalho e estão asseguradas as condições para que o ano lectivo termine dentro do prazo habitual.
Contudo, o curso de Desporto teve de ser repensado com soluções alternativas, até porque os ginásios continuam encerrados. Desta forma, optaram pela vertente prática simulada. Ou seja, os alunos estão a fazer cursos on-line com entidades que certificam esta prática simulada. Os estudantes estão ainda a desenvolver planos de condição física para aplicar à comunidade escolar.
A escola tem, neste momento, três turmas do 12.º ano a ter aulas presenciais às disciplinas sujeitas a exame nacional. Em relação às pré-inscrições para o próximo ano lectivo já são mais de 30, o que significa que, pelo menos, haverá uma nova turma. Nos últimos quatro anos foram acrescentadas seis turmas e as expectativas é que continuem a aumentar. A escola tem em Viseu e em Castro Daire cerca de 500 alunos distribuídos por 30 turmas.

Diários Associados